segunda-feira, 30 de novembro de 2015

A História do Renault Mégane

Renault Mégane I


O Renault Mégane I foi lançado em 1995 como o substituto do Renault 19. Este modelo do Segmento C tinha uma versão Hatch, Coupé, Sedan, Cabrio, Carrinha e Monovolume (Mégane Scenic), e contava com linhas bastante harmoniosas.


Em 1999, o Renault Mégane I teve um facelift, que removeu alguns plásticos deixando pintura apenas, entradas de ar no próprio capot ao invés de atrás dele, e os faróis com leves alterações. Contou assim com pequenas mudaçnças estéticas tanto à frente como atrás, o que serviu para o posicionar no mercado durante ainda mais alguns anos.

Renault Mégane II


O Renault Mégane II foi um dos primeiro carros da Renault a adotar esta nova estética mais arrojada, projectada por Le Quement ainda nos anos 90 com alguns concepts, e agora levada para o mercado com modelos com o Avantime e o Mégane II. Este contava com o Hatch, com o Coupé, um Sedan, um Cabrio, uma Carrinha, e um Monovolume (a Scénic, que ainda pertencia à gama Mégane)


Este Mégane teve também um facelift alguns anos depois. Este contava com poucas diferenças, nomeadamente nos farolins traseiros. Com este facelift, a Renault Scénic separou-se da gama Mégane.

Renault Mégane III 


Este Mégane foi apresentado em 2009, e foi alvo de uma enorme viragem estética. Com um design completamente diferente da geração anterior, o novo Mégane conta com linhas mais harmoniosas e menos arrojadas. O interior foi também alvo de enormes alterações. Nesta geração, o Mégane tinha as carroçarias Berlina, Coupé e Sport Tourer (carrinha), para além do Cabriolet. Nesta geração, a Renault Scénic já tinha a sua própria gama, com a Scénic e Grand Scénic. O Renault Mégane Sedan foi substituido pelo Renault Fluence, separando-se assim da gama Mégane.


Em 2014, o Renault Mégane III teve um facelift para que ficasse com a estética da gama Renault, e também para dar uma luvada de ar fresco no Mégane, que há 5 anos que permanecia no mercado sem alterações.


O Mégane III contava com as habituais versões Dynamique e Dynamique S, mas também com a versão GT Line, um pack estético ao estilo do Mégane GT, e também uma versão Bose, que contava com um sistema de Som da Bose.

Renault Mégane IV


Em 2015, foi apresentado finalmente o Renault Mégane IV. Apesar de ainda não estarem confirmados todos os detalhes deste modelo, poderá descobrir mais acerca deste modelo clicando aqui.

domingo, 29 de novembro de 2015

Volkswagen Beetle Dune de produção apresentado oficialmente em Los Angeles

Foi finalmente apresentada a versão de produção do Beetle Dune, cujo concept tinha sido apresentado em Janeiro de 2014 em Detroit.


A versão de produção foi apresentada no Salão de Los Angeles de 2015, nos EUA. A versao de produção conta com o mesmo nome do respectivo concept. Esta variante do "Carocha" é alusiva aos "buggies" utilizados na Baja California.


Esta versão caracteriza-se por detalhes que lhe conferem o aspecto "Off-Road" como por exemplo as jantes de 18 polegadas "Canyon" (note-se que o concept trazia jantes de 19 polegadas) com pneus mistos, e também 10 milímetros de maior altura ao solo.


A frente assemelha-se bastante com o concept, até mesmo na cor exterior. Note-se a grelha frontal com padrão favos-de-mel, e uma proteção das cavas das rodas em plástico, que lhe conferem um aspecto de SUV.


Os compradores desta variante "Dune", cujo preço ainda não se sabe, poderão "deliciar-se" também com o lettering exclusivo, e com as saias laterais em alumínio escovado.


Atrás, apresenta um novo para-choques, um spoiler na tampa da mala e farolins LED. É possível também optar pelo Lighting Package, que acrescenta faróis bi-xénon, luzes diurnas em LED e luz da matrícula em LED.



No interior, as mudanças são poucas comparadas com a versão base do Beetle, assim como acontecia no Concept. Porém, a versão Dune não deixa de contar com um volante multifunções forrado a couro e bancos desportivos com pespontos cor de laranja.


Na consola central, temos a nosso dispor um ecrã tátil de 6,3 polegadas de infotainment, compatível com o Smartphone, seja Android ou Iphone.
Disponível está ainda o Technology Package que contempla o ar condicionado automático Climatronic bi-zona, sistema de som da Fender, acesso sem chave e teto panorâmico deslizante.


O motor desta versão é um 1.8 TSI de quatro cilindros a gasolina com 171 cavalos. A caixa de velocidades é uma automática de seis velocidades.


Esta versão estará disponível nos formatos coupé e cabrio a partir do próximo ano nalguns mercados. Para já, a SIVA não prevê comercializá-lo em Portugal.


A Volkswagen aproveitou este lançamento para apresentar também outra versão, o Beetle Denim, uma edição limitada de 2 mil exeplares, com tecto de ganga, que presta homenagem ao Beetle Jeans dos anos 70.


Novo Renault Mégane

Depois de vários meses de desenvolvimento, eis que a tão aguardada geração do novo Renault Mégane foi apresentada.


A Renault sentiu a necessidade de investir bastante nesta nova geração, de modo a competir com o Volkswagen Golf, Opel Astra ou Peugeot 308, para não falar do Citroën C4, que cada vez vende menos unidades.


Esta nova geração do Renault Mégane, o best-seller da marca francesa, foi apresentado oficialmente no Salão de Frankfurt, e deverá chegar ao mercado nacional em meados de Janeiro de 2016.

Este modelo herda não só a estética como também tecnologias do novo Espace e Talisman, como o R-Link.


Dada a nova estratégia da Renault, o novo Mégane aposta numa estática sofisticada, com uns faróis que se esticam em forma de bumerangue, e com os faróis traseiros que atravessam toda a traseira. O interior foi também alvo de enormes alterações, que envolvem nomeadamente a consola central.


Quanto à consola, podemos ter um enorme Tablet de 8,7 com o R-Link, à semelhança da Espace e Talisman. Porém, ao invés da Renault Espace, temos no Mégane e no Talisman a possiblidade de optar por um Tablet de dimensões mais generosas, ou apenas pelos simples botões.


O novo Mégane terá a Berlina de 5 Portas e terá uma carrinha, porém ainda não está confirmada a comercialização do Coupé.

É de salientar que a Renault tem andado a deixar os Coupés. O Renault Talisman, substituto do Laguna, não terá versão coupé. O Clio, mesmo na versão RS, não tém coupé. O Renault Twingo é também um 5 portas.


É esperada também uma versão RS. Quanto ao Fluence, terá sucessor, mas não se sabe vai ser Fluence o Mégane Sedan, à semelhança da II Geração.


Este modelo aproveita-se da plataforma já usada para o Nissan Pulsar, e que é também usada pelos SUVs Renault Kadjar e Nissan Qashqai.


Novo Infiniti QX30 revelado


Após a apresentação oficial do Infiniti Q30, concorrente direto do Mercedes Classe A, a Infiniti desvenda agora o QX30, o suv premium que concorre não só com o Mercedes GLA (com quem partilha a plataforma), como concorre também com o BMW X1 e Audi Q3.


A marca de luxo da Nissan escolheu o Salão de Genebra para apresentar o protótipo do seu novo SUV premium, e escolheu Los Angeles e Guangzhou para apresentar a versão oficial de produção. Apesar de concorrer com os alemães e ser fabricado na Inglaterra (fábrica da Nissan), não será vendido na Europa.


Com o lançamento oficial deste SUV premium da Infiniti previsto para meados de 2016, o QX30 conta com uns "valentes" 4,43 metros de comprimento, e conta também com 1530 milímetros de distância ao solo. Tem assim mais 30 milímetros de altura ao solo que o Q30 Base e Premium, e 45 milímetros mais que o Q3O Sport.


Pelas palavras da marca, a insonorização foi trabalhada ao máximo, para o veículo contar com um habitáculo ainda mais confortável.

Quanto às tecnologias, os compradores que estiverem dispostos a adquirir este modelo cujo preço ainda não se sabe, poderão ter como extras o sistema de visão 360º, cruise control adaptativo e de auxílio ao estacionamento, e também um ecrã de 7 polegadas na consola central.


Este modelo conta com barras de tejadilho de série, para além de uma grelha frontal diferente do Q30. Apesar de ainda não serem conhecidas as motorizações, espera-se que este modelo traga os mesmos motores do Q30, ou seja:


Os diesel 1.5 dCi de 109 cavalos e o 2.2 de 170 cavalos.

A gasolina, poderemos supostamente contar com o 1.6 Turbo com 122 e 156 cavalos, e também com o 2.0 de 211 cavalos.

Espera-se que este modelo esteja à venda já em meados de 2016.

Infiniti Q30 apresentado

Qual é a coisa qual é ela que foi desenhada no Japão, baseada no Mercedes Classe A, e fabricada na Inglaterra, apresentada em Portugal, mas não está à venda na Europa? Eis o Q30, o novo modelo da marca de luxo da Nissan.


O novo Q30 mantém uma estética bastante semelhante ao do protótipo apresentado em 2013. Este novo hatchback da Infiniti, com os seus razoáveis 4,43 metros de comprimento, concorre directamente com os seus amigos germânicos como o Classe A, Audi A3 e BMW Série 1, mas porém, este modelo não está à venda na Europa.

Deverá ter três versões: a Base e a Premium (com uma altura ao solo de 145 milímetros), e a versão Sport (com 130 milímetros de altura).


Ao abrir as grandiosas portas, podemos observar um interior que, apesar de ir buscar alguma inspiração ao Mercedes Classe A, não entra em exageros e acaba por ser algo positivo dada a sua visível robustez.



Quanto a motorizações podemos contar com os fiáveis motores do grupo Renault-Nissan.

A diesel temos como opção o 1.5 dCi de 109 cavalos, e o 2.2 de origem Mercedes de 170 cavalos.

A gasolina, podemos contar com o 1.6 Turbo de origem Mercedes com 122 e 156 cavalos, e também com o 2.0 Mercedes de 211 cavalos.

Após vários meses de testes na Europa, a Infiniti afirma ainda que o novo Q30 terá um comportamento dinâmico de condução. O novo hatchback vai ser o primeiro Infiniti a ser fabricado na Europa, porém, não será vendido na Europa.


Quanto a caixas de velocidades, são todas de origem Mercedes (note-se a recente joint-venture do grupo Renault com a Mercedes), existindo uma caixa manual de 6 velocidades ou uma automática de dupla embraiagem de 7 velocidades.



A Infiniti escolheu assim Portugal para apresentar o seu mais recente modelo, o Q30. A Infiniti estará em Lisboa durante mais de um mês. 

Durante esse período de tempo, virão milhares de jornalistas a Portugal para testar o seu novo hatchback.

domingo, 22 de novembro de 2015

Fiat 124 Spider é a nova aposta da marca no segmento dos Roadsters

Após quase uma década desaparecida do segmento dos Roadsters, há muito tempo liderado pelo japonês Mazda MX-5, eis que a Fiat contra-ataca o lançamento do novo MX-5, com o seu novo Roadster, o 124 Spider.


O seu lançamento oficial está agendado para dia 18 de Novembro de 2015, quarta feira, no Salão de Los Angeles. Apesar de tudo, a marca decidiu apresentar as imagens oficiais algumas horas antes na Internet, onde rapidamente se espalhou.


Espera-se a sua venda já no verão de 2016, e este não só é um concorrente com o Mazda MX-5, como ambos partilham as entranhas entre si. Sim, este novo Fiat 124 Spider tem a mesma plataforma do Mazda MX-5, o que deve tornar a sua condução bastante divertida e ágil.

Porém, não é por causa disso que deixam de ser concorrentes. Aliás, temos o recente exemplo do Nissan Qashquai e o irmão Renault Kadjar, que não só partilham as entranhas como são do mesmo grupo Renault. Mas não é por isso que deixam de ser concorrentes.


Quanto às motorizações, o caso muda de figura. Apesar de ter motorizações com cilindradas semelhantes ao MX-5, os motores não são os mesmos. Assim sendo, este pequeno Fiat vem equipado com um motor de 4 cilindros MultiAir II turbo a Gasolina com 140 cavalos de potência e 240 Nm de binário, o mesmo motor adotado no Fiat 500 Abarth. Quanto à caixa de velocidades, os felizes compradores deste ágil Roadster poderão contar com uma caixa manual de 6 velocidades.


A nível estético, a Fiat conseguiu controlar os ânimos de modo a não ter uma estética demasiado antiquada e retro, apesar de serem notáveis as semelhanças com o antigo 124 Spider. Um capot bastante vincado e a típica grelha hezagonal, juntos com os faróis led tripartidos que, não só recordam o antigo 124 Spider como encaixam prefeitamente na linhagem dos últimos modelos Fiat, como o 500X.



Já quanto à traseira, são de salientar os farolins traseiros retangulares com a marcha-atrás ao centro, porém deixando um espaço para uma chapa no tom da carroçaria, no meio dos farolins.

Face ao MX-5, a diferença estética não é assim tanta, mas é notável a americanização na estética do novo Fiat 124 Spider. Infelizmente isso tem-se notado cada vez mais na marca, e aumentou com a compra da Jeep e Chrysler. Na minha opinião é mau, pois a Fiat está a mudar o seu estilo característico Europeu, e cada vez mais a adoptar uma estética americana, completamente desinteressante para o público europeu.

Adiante, face ao MX-5 é de salientar uma cintura traseira mais alargada do que no seu primo Japonês, porém mantém a mesma distância entre eixos.


Existirá ainda uma edição limitada Anniversary, numerada individualmente, disponível apenas na cor Rosso Passione e com bancos em couro preto.

Para nos situarmos no tempo, eis que vos trago uma pequena e interessante aula de História: